quarta-feira, junho 29, 2011

A morte terá um lado bom?

Não, nunca tem, mas...


Ontem quando soube da morte de Angélico, fiquei sensibilizada e ainda para mais com uma teen em casa que até gostava dele, mais propriamente do trabalho dos D'zrt e foi dessa forma que até fomos a um concerto deles.
Mas o que me levou a escrever este post foi o facto de ontem ouvir que os pais consentiram a doação de órgãos, segundo a legislação portuguesa todos somos potenciais dadores, para não o sermos temos de nos inscrever no Registo Nacional de Não Dadores e em caso de menores os pais podem não consentir essa doação.
Hoje a minha filha está viva, mas porque um rapaz com dezoito anos faleceu há 15 anos de uma forma parecida com esta, a única informação que nos foi dada, e o facto de ser dador permitiu salvar a minha filha e provavelmente outras crianças.
É duro escrever isto, mas volta e meia penso nele e na dor daqueles pais, enquanto eles sabiam que o filho morrera eu recebia um telefonema de esperança e alegria
Neste momento de dor os pais e a família não conseguirão pensar em mais nada, mas do outro lado haverá vidas que serão salvas.

4 comentários:

hierra disse...

Pois, compreendo...Mas acredito que a morte n tenha um lado bom, neste caso a doação de órgãos minimizou o sofrimento de outros. Por exemplo, alguém é despedido, logo há mais um lugar e alguém vai concorrer fica. Se não fosse o despedimento do antecessor n tinha trabalho, mas n significa que o despedimento seja bom...

GATA disse...

Finalmente alguém que fala sobre o caso sem ser para tecer comentários pouco dignos!

Também gostei de saber que foi feita colheita de órgãos - que a morte dele seja a esperança de vida de alguém.

Rita Sofia disse...

Não consegui conter as lágrimas... QUE VERDADE!!!!

Manuela disse...

Querida Dudu, muito bom este teu texto. Nunca tinha visto, as coisas por esse prisma. Deixaste-me a pensar...