terça-feira, junho 15, 2010

Resistente à dor



Com o esvaziamento da casa em virtude das obras encontrei coisas que já nem me lembrava inclusive esta depiladora que recebi como presente da minha sogra à mais de cinco anos, seguramente.
Utilizei-a duas vezes no máximo, porque a dor provocada ao puxar o pelo era demasiada e a gilete era muito mais rápida e não me fazia chorar, como tal foi logo chutada para canto.
Agora quando a encontrei tive que a experimentar, e não senti dor nenhuma especial, suportei aquilo bastante bem, tanto que fiz logo, ali, as duas pernas entre os caixotes que tinha para arrumar.
Agora ando cheia de dúvidas patetas, será que com o envelhecimento da pele ficamos mais resistentes à dor? Será que a pele aumenta de espessura e por isso não dói tanto? Será que me tornei masoquista? Será que a dor emocional é proporcional à dor física e eu ando feita pedra?
Bem não interessa, voltei adoptá-la.

4 comentários:

GATA disse...

Eu também tenho um mini "corta-relva", e não quero outra coisa, pois sofria horrores com a cera!

O "corta-relva" nunca me fez doer, portanto ou tenho muita resistência à dor ou tenho pele de elefante! :-)

Dudu disse...

:)) gosto do nome "corta-relva" é o que a minha faz um barulho bastante parecido.

hierra disse...

o corta - relva é do melhor que há e há os que têm uma espécie de amortecedor para não doer...

Crente disse...

Depois de ler este post liguei à minha mãe a perguntar pela máquina que tínhamos comprado faz muitos anos... não é que a mulher a deu a uma prima? Agora olha, não há remédio para mim... :(